ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Antologia] - Portugal

Lamentável sabujice *

Eça de Queirós**

Um homem só deve falar, com impecável segurança e pureza, a língua da sua terra: todas as outras as deve falar mal, orgulhosamente mal, com aquele acento chato e falso que denuncia logo o estrangeiro.

Na língua verdadeiramente reside a nacionalidade; e quem for possuindo com crescente perfeição os idiomas da Europa, vai gradualmente sofrendo uma desnacionalização. Não há já para ele o especial e exclusivo encanto da fala materna com as suas influências afectivas, que o envolvem, o isolam das outras raças; e o cosmopolitismo do Verbo irremediavelmente lhe dá o cosmopolitismo do carácter. Por isso o poliglota nunca é patriota. Com cada idioma alheio que assimila introduzem-se-lhe no organismo moral modos alheios de pensar, modos alheios de sentir. O seu patriotismo desaparece, diluído em estrangeirismo...

Por outro lado, o esforço contínuo de um homem para se exprimir, com genuína e exacta propriedade de construção e de acento, em idiomas estranhos -- isto é: o esforço para se confundir com gentes estranhas no que elas têm de essencialmente característico, o Verbo -- apaga nele toda a individualidade nativa. Ao fim de anos, esse habilidoso, que chegou a falar absolutamente bem outras línguas além da sua, perdeu toda a originalidade de espírito, porque as suas ideias forçosamente devem ter a natureza incaracterística e neutra que lhes permita serem indiferentemente adaptadas às línguas mais opostas em carácter e génio. Devem, de facto, ser como aqueles corpos de pobre, de que tão tristemente fala o povo, que cabem bem na roupa de toda a gente.

Além disso, o propósito de pronunciar com perfeição línguas estrangeiras constitui uma lamentável sabujice para com o estrangeiro. Há aí, diante dele, como o desejo servil de não sermos nós mesmos de nos fundirmos nele, no que ele tem de mais seu, de mais próprio — o Vocábulo. Ora isto é uma abdicação da dignidade nacional.

Não, minha Senhora! Falemos nobremente mal, patrioticamente mal, as línguas dos outros!...

* Extracto de "A Correspondência de Fradique Mendes", 2ª. ed. Porto, 1902. pág. 142. In "Paladinos da Linguagem", 1.º vol., Antologia organizada por Agostinho Campos. :: 24/10/1997

Sobre o autor

** Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 – Paris, 1900) foi um escritor realista português. Estudou Direito em Coimbra e fundou o jornal O Distrito de Évora, em 1866, colaborando ainda na Gazeta de Portugal. Em 1870, escreveu, com Ramalho Ortigão, o Mistério da Estrada de Sintra e, no ano seguinte, proferiu a conferência O Realismo como nova expressão de Arte, integrada nas Conferências do Casino. Entre 1872 e 1888 foi cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris e fundou, em 1889, a Revista de Portugal. Da sua obra, destacam-se: O Primo Basílio (1878), O Crime do Padre Amaro (1880) e Os Maias (1888).

Enviar:

Antologia

Textos de autores lusófonos sobre a língua portuguesa, de diferentes épocas.

A Bicha e a Fila
Língua
A minha língua
Mandela
Esta língua e eu
Antigamente (II)
Divertimento com sinais ortográficos
Lusitânia no Bairro Latino
Uma língua e diferentes culturas
Minha pátria é a língua portuguesa

Países

Angola

Brasil

Cabo Verde

Goa

Guiné-Bissau

Moçambique

Portugal



Autores

Afonso Duarte

Alberto d´Oliveira

Alexandre O´Neill

António Correia de Oliveira

António Ferreira

António Nobre

António Nunes Ribeiro Sanches

Bernardo Soares

Carlos Drummond de Andrade

Coelho Neto

Filinto Elísio

Francisco Dias Gomes

J. C. Ary dos Santos

João Melo

José Albano

José Albano

José Eduardo Agualusa

Manuel Alegre

Manuel Rui,Marco Guimarães

Pedro Oom

Rui Zink

Teixeira de Pascoaes

Vergílio Ferreira


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos