ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Antologia] - Brasil

A língua portuguesa no Brasil *

Afrânio Peixoto**

A maior surpresa de quem estuda a história do Brasil deve ser como o pequeno povo português, distraído aliás por interesses maiores nas Índias, conseguiu contra Franceses, Flamengos, Ingleses e Espanhóis, manter por três séculos a continuidade da posse e a unidade territorial de um domínio estendido por 39 graus de latitude e outros tantos de longitude, grande de oito milhões de quilómetros quadrados e exposto em oito mil quilómetros de costas às invasões marítimas.

A Espanha não o soube e não o pôde, com o império colonial quebrado e repartido na dúzia e meia de nações que dele resultaram. Nem o caso dos Estados Unidos, hoje tão extensos como nós, é no nosso comparável: cresceram por justaposição, de compra e de conquista, as treze colónias inglesas da Independência formavam menos de um terço de todo o território actual...

Nós fomos assim, desde 1500, achados, possuídos, principalmente conservados como somos, pelos Portugueses. Se o maior mérito de José Bonifácio e Pedro I, nos dias da Independência, foi de nos manter coesos; se o de Caxias foi de nos combater, contra nós mesmos, nas tentativas de desagregação, não faltemos com a justiça e o louvor àqueles que por três séculos antes nos defenderam das ambições forasteiras soltas no mundo, e que nos deram desde os primeiros tempos coloniais um espírito nacional, com o qual os lográmos ajudar e pudemos enfim sobreviver.

Outra surpresa, quase igual, é a nossa ingratidão, por vezes, a estes e outros benefícios recebidos, tanto mais grave, quanto ela é não raro ilógica e até ridícula. Quando foi da Independência, a reacção nativista se exerceu renegando não só a verdade histórica, como a própria voz do sangue, que assim traíamos. Éramos filhos de portugueses: tínhamos pois uma ilustre prosápia, de glorioso povo antigo que, depois de bater os infiéis, repelidos para África, onde continuaram a ser rechaçados, se lançara ao mar tenebroso, contornara o continente negro, tocara a América, alcançara as Índias, atingira o Japão, devastara a Oceânia, e não havendo mais mundo, porque se «houvera lá chegara», tirou-o em prova, dando a volta ao mesmo mundo.

Pois bem, quando a vaidade dos civilizados, ricos e pobres pretende procurar parentes entre os Cruzados, nós que os temos, de facto, entre os da Terra Santa e os da Terra inteira, nós renegávamos os pais que tínhamos, e, não ousando nos gloriar dos negros africanos, invocávamos os selvagens brasileiros. Portugueses é que não queríamos ser. É simbólico aquele caso, entre tantíssimos, de delírio nativista, de um Francisco Gomes Brandão, que passou a ser Francisco Gé Acaiaba de Montezuma, até que a Coroa lhe corrigiu a paternidade, ingratamente repudiada, dando-lhe fictícia nobreza, no título de Visconde de Jequitinhona, gratificação merecida dos talentos e serviços de patriota e estadista.

Não sabíamos, e talvez ainda não o sabemos todos, que este selvagem brasileiro é dos povos ínfimos da terra, na escala mais baixa da civilização, que tem estudado a Sociologia, mais atrasados e bárbaros que os feitos africanos a quem demos maior desdém e tamanha ingratidão.

Mais ainda. Estes portugueses fizeram uma formosa língua, irmã das línguas romances, derivadas do latim, trabalhada e polida pelo maior Épico dos tempos modernos, por uma legião de prosadores que se contrastam com os mais considerados da Europa inteira. Com efeito, uma autoridade, porque é de estrangeiro, o sr. Edgardo Prestage, da Universidade de Manchester, onde ensina a literatura portuguesa, o afirma: «Não há país, por mais rico que seja o seu pecúlio literário, que não se ufanasse de contar entre os seus filhos cronistas como Fernão Lopes, historiadores como João de Barros e Diogo do Couto, raconteurs como Fernão Mendes Pinto, biógrafos como Frei Luís de Sousa, escritores asiáticos como o padre Manoel Bernardes, moralistas como Frei Heitor Pinto, oradores sagrados como o padre António Vieira, homens inspirados de Deus como Frei Tomé de Jesus, que, no cativeiro de Marrocos, compôs a obra de devoção inigualável, Trabalhos de Jesus. E cita-os todos, para reservar o maior louvor a esse incomparável D. Francisco Manoel do Melo.

Pois bem: deu-nos Portugal esta casta e sonora, forte e sólida língua portuguesa, para a honrarmos e acrescentarmos, na divulgação do grande povo que havemos de ser, e aparecem por aí umas vozes, graças a Deus discordantes, felizmente sem alcance e sem eco, a reclamar, em nome do nativismo, os abusos de prosódia, os erros de sintaxe, os solecismos intencionais, os desleixos de estilo, porque com isso, dizem eles, ou o pensam consigo, faremos uma língua brasileira, tristíssimo dialecto começado assim no erro, não do povo, o que seria de se escusar, mas de letrados, o que apenas é de sorrir. A língua brasileira seria como a parentela brasileira, que alcançou o nosso desvario.

Felizmente, assim como a gente não escolhe os seus parentes e, mercê de Deus, os nossos foram ilustres, também não escolhe a linguagem que balbucia no berço, e bem-aventurados os brasileiros, porque essa é a ilustre língua portuguesa.

É estultícia cuidar em fazer uma língua, sequer um dialecto, obra difícil e longa de um povo inteiro, em muitos séculos, e não decisão política de alguns patriotas descontentes.

Depois, para os consolar, basta que tenham paciência e o tempo lhes dará insensivelmente a variação que desejam, tanto em Portugal como no Brasil, a que a vida impõe, a vida de que a linguagem é a expressão pensada e articulada. Não há muito, um sábio mandado pela a Academia Francesa ao Canadá, para assistir a festas seculares de lá voltava maravilhado por ter ouvido falar – os ouvidos não queriam crer – o francês de grande século, língua de Pascal e de Racine, que já não tem curso em França, e conservara a fidelidade da antiga colónia. No Maranhão, como na Bahia, estão conservados vocábulos e locuções, ainda em uso no Minho ou em Trás-os-Montes, e que Lisboa e o Rio de Janeiro desaprenderam.

O tempo, que faz isso, fará felizmente cada vez menos isso, graças a essa incessante comunicação humana que é a vantagem do nosso tempo. Outrora cantinho de terra, numa Suíça, havia lugar para três línguas e trinta dialectos, insoados nos vilarejos, ninhos alpestres de gente, no regaço dos valados e povoações lacustres, os quais, próximos pela distância, idênticos de raça, entretanto se não entendiam. Hoje, em imensos países, como os Estados Unidos ou o Brasil, de um recanto longínquo ao outro extremo do território, a mesma língua é falada e compreendida por todos os seus milhões de habitantes. Pequenas variações prosódicas, que o clima e o meio social solicitam, vocabulário e expressões pitorescas, que a vida regional diferente inventa e propaga, disseminam-se por todo o país na difusão pronta da imprensa, do correio, do telégrafo, e das gentes que incessantemente se comunicam.

A língua varia assim insensivelmente, mas continuamente, e só a disciplina da educação e da instrução da linguagem lhe põe empeços aos desmandos e degeneração, para a glória de sua mantença e perfeição.

Não faz o lavrador uma árvore; mas, plantada a tempo, adubado e regado o terrão, protegida por tutor quando ainda vergôntea, podada mais tarde de ladrões, esgalhos e demasias de folhagem, dará bela árvore, então sombria, florida e frutuosa.

 

* De uma conferência pedagógica, da série promovida pelos inspectores escolares do Rio de Janeiro, em 1919, publicada na revista "A Escola Primária", Rio, Junho a Setembro de 1919, in "Paladinos da Linguagem", vol. II. :: 12/02/1998

Sobre o autor

**

Afrânio Peixoto (Lençóis, 1876 — Rio de Janeiro, 1947), foi um médico, político, professor, crítico literário, ensaísta, romancista e historiador brasileiro. Publicou entre outros: Rosa Mística (1900), História da Literatura brasileira (1930), Amor sagrado e amor profano (1942), Breviário da Bahia (1945), Livro de horas (1947).

 

Enviar:

Antologia

Textos de autores lusófonos sobre a língua portuguesa, de diferentes épocas.

Língua
A minha língua
Mandela
Esta língua e eu
Antigamente (II)
Divertimento com sinais ortográficos
Lusitânia no Bairro Latino
Uma língua e diferentes culturas
Minha pátria é a língua portuguesa
Minha Pátria é minha língua,
Mangueira meu grande amor

Países

Angola

Brasil

Cabo Verde

Goa

Guiné-Bissau

Moçambique

Portugal



Autores

Afonso Duarte

Alberto d´Oliveira

Alexandre O´Neill

António Correia de Oliveira

António Ferreira

António Nobre

António Nunes Ribeiro Sanches

Bernardo Soares

Carlos Drummond de Andrade

Coelho Neto

Filinto Elísio

Francisco Dias Gomes

J. C. Ary dos Santos

João Melo

José Albano

José Albano

José Eduardo Agualusa

Manuel Alegre

Pedro Oom

Rui Zink

Teixeira de Pascoaes

Vergílio Ferreira


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos