ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Correio]

O uso da língua e as conveniências políticas

Neste sítio, vejo muitas vezes falar em Brasil e Portugal como realidades culturais e linguísticas em si. Mas o que torna Portugal e o Brasil entidades como tais, na medida possível, são imposições político-administrativas do gênero do acordo ortográfico. No fundo cada país tem o seu 'acordo' ortográfico interno. Se virmos as coisas livremente, do ponto de vista cultural e linguístico, não existem tais realidades...

Moro em Londrina, aqui as pessoas dizem porta como se fossem um inglês a pronunciar, no Rio de Janeiro como se fossem um francês, em Minas Gerais como se fossem um português... Por o outro lado ao pronunciar as os do Rio de Janeiro fazem-no como se fossem um português, e os de Minas Gerais como se fossem um espanhol. Aqui no Brasil, deparámo-nos surpreendentemente com pronúncias ao estilo de Viseu, Açores, etc. Não, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília não são o Brasil... Brasil é muito mais...

Temos que assumir o acordo ortográfico como uma decisão política, que é o que é. Aqueles que defendem, que Portugal e Brasil deviam seguir caminhos diferentes por terem realidades diferentes, já se revoltariam ao ouvir o mesmo para Santa Catarina e São Paulo, ou Minho e Algarve... Porquê? Porque isso iria contra as suas conveniências políticas. Só isso...

Peço ao Ciberdúvidas para não alinhar nessa hipocrisia. Que se defendam as convicções políticas que se quiser, mas sem usar a nossa língua em vão.

Paulo Manuel Sendim Aires Pereira :: :: Londrina, Brasil

[R] Agradecemos ao consulente as observações e o apelo feitos, que obviamente respeitamos. Só gostaríamos de acrescentar que a gestão de cada Estado e as relações entre os que têm um passado em comum (colonial ou não) têm alguma dificuldade em se conjugarem com a preservação ou o favorecimento de  todos os aspectos da variedade linguística. Por outro lado, são por vezes os próprios falantes que tendem a esbater localismos quando se encontram em contacto com indivíduos de outras regiões.

Carlos Rocha :: 19/02/2008

[Correio]
Um abraço do Japão
«Nem um cêntimo» para o Ciberdúvidas
Virtualidades, mais uma vez
Novamente a posição do Ciberdúvidas quanto ao Acordo Ortográfico
Será que já não há remédio para o "metriológico" e para a "metriologia"?...
«A vossa forma de dar...»
Predicativo do complemento direto: uma análise alternativa
Sintaxe e semântica, outra vez
Repreensão ao Ciberdúvidas
Ainda sobre a expressão «ter a mania»

Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos